contato@karolstahr.com

© Copyright Karol Stahr 2014
Todos os direitos são reservados



BLOG

EMPODERAMENTO FEMININO

Na minha opinião, uma pessoa empoderada chegou a este nível de poder pessoal devido aos aprendizados que construiu através de experiências vividas. E estas experiências – geralmente duras – abriram os olhos para uma nova forma de levar a vida. Tem a ver com nossa criação, com o que aprendemos através de figuras importantes em nossas vidas, homens ou mulheres.

Desde a infância, aprendemos sobre nós mesmos e sobre o nosso caráter a partir das pessoas que estiveram mais próximas de nós. Somos incentivados, advertidos, encorajados, e começamos a compreender o que temos de melhor e de pior em nossa vida. E assim, moldamos nosso caráter.
Em minha vida, quando olho para trás, vejo pessoas muito importantes neste desenvolvimento pessoal. Pessoas que me conheceram mais de perto e puderam me ajudar das mais variadas formas a me descobrir e perceber meu potencial. De forma real, sem fantasiar demais. Tendo um conceito equilibrado sobre quem sou… Onde quero chegar com essa conversa toda? Com o tal empoderamento feminino. Se existe uma expressão que já deu para mim é essa.
A cada dia surgem mais mulheres que, profissionalmente, buscam empoderar outras mulheres. E vejo, muitas vezes, uma disputa com o sexo masculino, uma força enorme para fazer as pessoas compreenderem que temos poder, temos direitos, somos capazes, etc. Mas, de onde vem esse poder, senão das experiências já vividas e aprendidas ao longo da vida? Desculpem, mas não acredito no empoderamento feminino. Eu acredito no empoderamento humano, que não precisa ser intitulado como tal, e que é adquirido com a maturidade (não de idade, mas a maturidade emocional) de pegar as dificuldades e fazer delas seu combustível de aprendizado, metas e novos caminhos. É a capacidade de transformar sua vida em um case de sucesso e, a partir desta bagagem, ajudar outras pessoas.

Não para por aí. Junto desse discurso de empoderamento e dessa guerra de sexos, vem a tal sororidade que, na vida cotidiana pouco se vê, mas muito se prega.

No meu canal do YouTube, de vez em quando, recebo algumas críticas das próprias mulheres sobre peso, idade, roupa, maquiagem… Enfim, mulheres criando padrões inalcançáveis e cobrando outras mulheres a serem incríveis, lindas e perfeitas. Uma falsa realidade que se quer ver no mundo virtual. Só não entendi ainda para quê.

Como trago comigo uma bagagem de vida que me fez compreender mais sobre não tomar para mim o problema do outro (como essa distorção da imagem perfeita tão cobrada), quando recebo algum comentário desse tipo consigo abstrair e reconhecer que a opinião do outro não é problema meu. Sei do que faço, como faço, porque faço. Sei do valor que tenho para tantas outras pessoas. É nessas horas que me pergunto onde está esta tal sororidade tão lindamente difundida.

Desculpe a sinceridade, mas o empoderamento feminino não cria mulheres fortes. Aprender sobre ser independente não fortalece ninguém. Até porque duas pessoas juntas são mais fortes que uma. Muito menos oferece ferramentas que vão trazer a prosperidade pessoal, porque em algum momento vamos depender de outras pessoas. Na verdade, o discurso do empoderamento feminino é uma grande muleta que substitui o real desenvolvimento emocional pelo discurso pobre de que somos inferiores e que precisamos, a todo custo, mostrar nosso valor. Se já começou pela primícia de que somos inferiores, a base de valores já está corrompida.

Se eu acredito que fui criada de forma perfeita, e tenho qualidades que ninguém possui, eu me sinto empoderada. Se reconheço o real propósito da minha vida e busco cumprir com excelência, eu me sinto empoderada. Se tenho ao meu lado uma pessoa que me admira, me ama, percebe em mim o meu valor e não hesita em dizer como sou única, eu me sinto empoderada. Se tenho reconhecimento profissional ao ver pessoas serem impactadas através de minha vida, eu me sinto empoderada.

Nenhum discurso de empoderamento feminino e nenhuma sororidade seria capaz de me ensinar isso tudo. Porque declarar isso, sem realmente acreditar, não traz resultados.

Apesar de não suportar essa expressão – empoderamento feminino – usando dela posso dizer que me sinto uma pessoa empoderada. Não fui em palestras, não fiz acompanhamento com coach, não participei de grupos de apoio. Simplesmente passei minha vida aprendendo diretamente da fonte. Hoje, tenho certeza absoluta que só consegui caminhar, aprender e juntar uma bagagem que não pesa, mas ensina, porque Deus esteve ao meu lado, me ensinando, mostrando meu valor em toda situação, me orientando, me perdoando, me ensinando a me perdoar, me corrigindo.

Ao invés da mulher empoderada, eu quero ser uma mulher cheia de poder. Poder de transformar a vida das pessoas que amo, poder de conquistar meus objetivos, poder de ser melhor do que eu sou a cada dia. E poder de reconhecer que sou quem Ele diz quem sou.